Aqui no Blog Autonomia em Saúde, estamos trabalhando na construção do Programa Saúde de Dentro para Fora.

Questionário para identificação do tipo metabólico individual

Um conteúdo fundamental do programa é o questionário para identificação do tipo metabólico individual.

A indicação de dieta e suplementação adequada para cada pessoa varia conforme o funcionamento do metabolismo individual. Não é correto prescrever a mesma coisa para todos. Por que magnésio é fundamental para uma pessoa, isso não quer dizer que o seja para todos. Para outro, pode fazer mal, por exemplo, quando bloqueia a atividade do sistema nervoso simpático. Cada pessoa é uma individualidade bioquímica e tem um tipo metabólico específico.

Paradigma metabólico de Kelley

No texto anterior, vimos que o paradigma metabólico de Kelley, que estamos trabalhando para adaptar para o português, se divide em 10 tipos metabólicos. Depois vou explicar que na verdade são 12 tipos.

Quando o sistema nervoso autônomo simpático predomina existe uma inibição do processo digestório. Estômago, intestino, pâncreas e fígado são ineficientes, e isso altera completamente o processo de absorção de nutrientes e consequentemente também da necessidade e aplicação de suplementos.

Estratégia de suplementação individualizada específica

Assim, a fim de atender as necessidades individuais, dependendo do tipo metabólico, vamos ter uma estratégia de suplementação individualizada específica.

Vimos no histórico do paradigma metabólico que Francis Pottenger descreve que a doença é causada pelo desequilíbrio autonômico.

Em alguns indivíduos ou o sistema nervoso simpático ou o parassimpático estariam predominantes e, assim, promovendo estados de desequilíbrio que para serem recuperados, precisam ser identificados.

Pottenger descobriu que magnésio inibe o sistema nervoso simpático, potássio estimula o parassimpático e cálcio estimula o simpático.

Suplementação para o predomínio do simpático

A partir daí, por exemplo, no caso do tipo 1, predomínio extremo do simpático, a orientação de suplementação é magnésio, potássio, betacaroteno, B1, B2, B3, B6, vitaminas C e D (doses elevadas), vitamina E (doses moderadas), cromo, ácido aminobenzoico (PABA). Para o tipo 4, domínio moderado do simpático, a sugestão é similar ao tipo 1, porém com doses mais moderadas. Para tipo 6, simpático ineficiente, igual ao tipo 4, com adição de B5, B12, colina, inositol, cálcio e zinco.

Suplementação para o predomínio do parassimpático

Para quem tem predomínio do parassimpático, considerando que o sistema digestivo trabalha bem, para o tipo 2, com domínio extremo do parassimpático, sugere-se doses moderadas de vitamina A e manganês, niacinamida, B5, B12, colina, inositol, zinco, cromo e doses altas de vitamina C e de selênio. Para o tipo 5, domínio moderado do parassimpático, igual ao tipo 2, com doses mais moderadas. Para o tipo 7, domínio ineficiente do parassimpático, igual ao tipo 5, mas adicionar magnésio, potássio, betacaroteno, tiamina, riboflavina, niacina, piridoxina e ácido fólico.

Suplementação para equilíbrio simpático-parassimpático

Para o terceiro grande grupo, que apresenta os sistemas simpático e parassimpático equilibrados, a orientação para o tipo 10, equilíbrio eficiente simpático/parassimpático, sugere-se abranger uma gama completa de suplementos e minerais com doses baixas a moderadas, segundo o contexto individual. Para o tipo 8, equilíbrio moderadamente eficiente, recomendações semelhantes ao tipo 10, com doses um pouco ampliadas. Para o tipo 9, equilíbrio moderadamente ineficiente, seguir os tipos 8 e 10, com doses mais elevadas. Por fim, para o tipo 3, com equilíbrio metabólico ineficiente, seguir as recomendações dos tipos 8 e 10 com doses duplicadas.

Assine nossa lista aqui para receber atualizações sobre o Programa Saúde de Dentro para Fora: Conheça seu tipo metabólico e saiba como suprir as necessidades nutricionais e suplementares.

 

Referências (sugestões de estudo em ordem cronológica)

1. POTTENGER, Francis Marion (1901-1967). Symptoms of Visceral Disease: A study of the vegetative nervous system in its relationship to clinical medicine. St. Louis, USA: C. V. Mosby Company, 1922. (Diversas edições entre 1919 e 1944).

2. GELLHORN, Ernst (1893-1973). Principles of Autonomic-Somatic Integrations: Physiological basis and psychological and clinical implications. Minneapolis, USA: University of Minnesota Press, 1967.

3. KELLEY, William Donald. One Answer to Cancer: Ecological approach to the sucessful treatment of malignancy. Texas, USA: The Kelley Foundation, 1974.

4. KELLEY, William Donald. Self Test for the Different Metabolic Types: and metabolic typing, the correct nutrition for your body. The original Metabolic Medicine´s Health Guide. Do-it-yourself book. Litchfield Park, Arizona, USA: College Heath Stores by Kettle Moraine Publishing, 2013.

5. GONZALEZ, Nicholas. Nutrition and the Autonomic Nervous System: The scientific foundations of the Gonzalez protocol. New York, USA: New Spring Press (Kindle Edition), 2017.