Síndrome Metabólica: Você vai a favor ou em direção contrária?

Definição de Síndrome Metabólica

A síndrome metabólica, síndrome x ou síndrome de resistência à insulina, é o desequilíbrio do metabolismo a partir de um conjunto de fatores de risco relacionados e associados ao risco aumentado de doenças crônicas.

A síndrome metabólica vem se tornando cada vez mais comum e encontra-se diretamente relacionada com a epidemia de doenças crônicas que vivemos hoje.

Talvez a principal lição não é apenas o fato de comermos o que não devemos, mas o de comermos toda hora.

Os principais componentes da síndrome metabólica são a obesidade, a alteração da glicemia sanguínea, dislipidemia (colesterol, triglicérides e HDL fora das melhores taxas), da pressão sanguínea, entre outros indicadores.

Causas da Síndrome Metabólica

Inicialmente, as causas da síndrome metabólica foram atribuídas a resistência à insulina. O excesso de glicose/insulina no sangue seria a raiz da maioria das doenças.

Posteriormente, outra hipótese alternativa para justificar a síndrome é a adiposidade visceral como fator etiológico predominante, considerando-se seu papel metabólico extremamente ativo.

Mais recentemente, considera-se que a inflamação crônica de baixo grau poderia subjugar ou exacerbar a síndrome metabólica. Dor e níveis insalubres de inflamação estão se tornando rapidamente estados corporais padrão no mundo industrializado atual.

 

Critérios de identificação da Síndrome Metabólica

Existe ampla variedade de critérios diagnósticos para a síndrome metabólica proposta por diferentes organizações.

Por exemplo:

  • OMS (Organização Mundial de Saúde);
  • Federação Internacional de Diabetes (IDF);
  • Associação Americana do Coração / Instituto Nacional do Coração, Pulmão e Sangue (AHA / NHLBI);
  • NCEP ATPIII (National Cholesterol Education Program).

Veja as tabelas 1 e 2 com critérios primários e adicionais da síndrome metabólica.

Tabela 1 – Critérios primários da síndrome metabólica

Tabela 2 – Critérios adicionais da síndrome metabólica

Vale observar que os valores sugeridos pelos critérios primários não devem ser considerados como fixos. Estar abaixo dos índices apontados não significa necessariamente ausência de risco. Por exemplo, a pessoa pode estar aproximando-se (ou distanciando-se) de ser enquadrada na condição de portadora da síndrome.

Lições da Síndrome Metabólica

A síndrome metabólica fornece um conjunto de diagnósticos práticos, fácil de usar para identificar precocemente as pessoas em risco.

Vale notar que os critérios relacionados acima, apontam em grande parte grupos similares de indivíduos. Enfim, nós mesmos. Isso envolve praticamente a todos.

O gradativo aumento do esforço metabólico resultante da mediação glicose-insulina, provocando excesso de glicose, sensibilidade e resistência à insulina ocorrendo cada vez mais na população em geral, aumentam consideravelmente o risco de uma série de consequências relacionadas à saúde.

Só no Brasil, existem 13 milhões de diabéticos dos quais 6,5 milhões não tem conhecimento de que é portador da doença.

Por esses motivos a importância de compreender esse conteúdo a fim de evitar a síndrome metabólica.

Como registrado acima, a questão não deve se ater especificamente aos valores dos critérios, mas da consciência de prevenir problemas de saúde, ou seja, estar se movimentando na direção contrária da síndrome metabólica.

 

Dicas para evitar a síndrome metabólica

Comer comida de verdade, integral e não processada. Isso quer dizer, evitar açúcar e grão refinados. Evitar alimentos industrializados com baixo conteúdo nutricional.

E principalmente, não comer toda hora! É fundamental manter glicose e insulina baixos.

Embora na maioria dos casos, podemos ajustar as condições de inflamação crônica alterando nossa dieta, reduzindo o estresse e as exposições químicas ambientais, essas abordagens consomem tempo, disciplina e energia.

Por esses motivos, fica a questão: Você conduz sua vida a favor ou contra a síndrome metabólica?

 

Referências

KRENTZ, Andrew J.; WONG, Nathan D. (Editores). Metabolic syndrome and cardiovascular disease: Epidemiology, assessment and management. New York: Informa Healthcare, 2007.

LAB REDE. Definição de síndrome metabólica. Disponível em: <http://laboratorioduarte2014.masterix2.com.br/uploads/laboratorio_duarte_2014/arquivos/julho-2015-definicao-sindrome-metabolica.pdf>. Acesso em: 15. Fev 2018.

REAVEN, Gerald M.; LAWS, Ami. Insulin Resistance: The Metabolic Syndrome X.  New Jersey, EUA: Humana Press, 1999.

SANTOS, Carlos Eduardo; SCHRANK, Yolanda; KUPFER, Rosane. Análise crítica dos critérios da OMS, IDF e NCEP para síndrome metabólica em pacientes portadores de diabetes melito tipo 1. Arq Bras Endocrinol Metab. 2009;53/9. Acesso em: 15. Fev 2018.

SBEM Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia. A Síndrome Metabólica. Disponível em: <https://www.endocrino.org.br/a-sindrome-metabolica/>. Acesso em: 15. Fev 2018.

SOARES, Raquel; COSTA, Carla. Oxidative Stress, Inflammation and Angiogenesis in the Metabolic Syndrome. Berlin: Springer, 2009.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA.  I Diretriz Brasileira de Diagnóstico e Tratamento da Síndrome Metabólica.  Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/abc/v84s1/a01v84s1.pdf>. Acesso em: 15. Fev 2018. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *