Como Saber Quais Suplementos Você Precisa?

Qual a relação entre vitaminas, minerais, enzimas e o sistema nervoso autônomo?

Como identificar as necessidades pessoais de suplementação?

imagem suplementosMinerais e Vitaminas

Olá, hoje vamos ver relação dos minerais e vitaminas conforme o sistema nervoso autônomo e os tipos de dieta indicados.

Em primeiro lugar, não sou médico, não posso e não quero prescrever dieta ou suplemento para ninguém. Sou professor universitário de administração e estudante de nutrição. Resolvi me dedicar ao blog Autonomia em Saúde, porque tive problema de colesterol alto e o remédio que o médico me passou, a estatina Crestor, me fez muito mal.

Para saber sobre este tema, baixa o ebook gratuito A Verdade sobre o Colesterol.

Princípios Básicos da Autonomia em Saúde

Em síntese, de tudo que tenho estudado, quero te apresentar dois princípios básicos:

1. Ninguém cura ninguém. Só existe autocura, ou seja, apenas a pessoa é capaz de curar a si mesma.

2. Qualquer especialista que orienta o mesmo mineral ou vitamina para todos, provavelmente vai errar com muitas pessoas. Não é difícil encontrar alguém orientando para todos tomarem magnésio, iodo ou ômega 3.

Cada pessoa é uma individualidade bioquímica e deve tomar suplementos conforme as necessidades individuais e não segundo uma fórmula comum a todos.

Como administrador, quero chamar atenção para a importância da gestão pessoal da saúde que só se conquista realmente aprendendo a ouvir e atender as necessidades do próprio corpo.

Gestão pessoal da saúdeProtocolo de William Kelley

O conteúdo que vou te apresentar neste texto, tem base no protocolo de William Kelley, ao modo que foi disseminado, desenvolvido e aplicado por Nicholas Gonzalez. Este protocolo segue três vertentes básicas:

1. Nutrição para o tipo metabólico individual.

2. Suplementação personalizada, com minerais, vitaminas e enzimas pancreáticas.

3. Técnicas de desintoxicação: enema de café, limpeza do fígado e da vesícula e outras.

W Kelley self-test

Sistema Nervoso Simpático

Um dos sistemas mais influentes do corpo humano é o sistema nervoso que coordena ações voluntárias e involuntárias. Em uma de suas divisões, o sistema nervoso simpático promove fuga ou luta, ativa músculos, aumento do batimento cardíaco, da pressão arterial e da atividade endócrina.

Sistema Nervoso Parassimpático

Com funções antagônicas, o parassimpático ativa órgãos digestivos, faz o relaxamento cardíaco com diminuição da pressão arterial e da atividade endócrina. Os dois sistemas, simpático e parassimpático, com funções opostas precisam ter o necessário espaço para manter a saúde de cada um.

Diversos fatores podem forçar o predomínio de um sistema e, logo, trazer problemas. Pessoas saudáveis, em geral, tem o sistema nervoso autônomo equilibrado. Sempre que um sistema trabalha a mais, o outro fica prejudicado. Então, pessoas com problemas de saúde tem algum tipo de desequilíbrio do SNA.

Predomínio do Simpático

Conhecer o funcionamento do sistema nervoso ajuda a entender o corpo.

O predomínio do simpático leva a agitação e ansiedade, o predomínio do parassimpático a fadiga e depressão.

Pred simGera dificuldade digestiva, logo a dieta indicada, devido ser de mais fácil processamento, é o maior percentual de carboidrato e menos gordura e proteína. Existem subgrupos que reagem melhor a alimentos crus enquanto outros a alimentos cozidos.

diet simp

De modo geral, o sistema nervoso simpático quando predominante precisa de magnésio e potássio e, principalmente, vitaminas do complexo B, vitamina C e vitamina D. Esse grupo funciona melhor com ômega 3 vegetal ou óleo de linhaça. Não se dá bem com óleo de peixe.

Suplem simp

Necessidades de Suplementação

A identificação das necessidades da suplementação que cada um precisa pode surgir do perfil metabólico, o qual aponta as diretrizes básicas das reações dos minerais e vitaminas.

Minerais Mais Presentes

Os minerais mais presentes no metabolismo humano são cálcio e magnésio. Cálcio, além de ser a essência dos ossos também estimula diversas reações celulares.

Ca e MgO neurotransmissor norepinefrina, atuante no sistema nervoso simpático, direciona o cálcio para a membrana celular. Quando existe a predominância do simpático, o sistema retém mais cálcio o que deixa as células mais rígidas.

Como o cálcio atende pela estabilidade da membrana celular, isso dificulta a entrada e saída de nutrientes e resíduos celulares. Por esse motivo, as pessoas com predomínio do simpático são mais resistentes a alergias, porém predispostas a doenças digestivas, úlcera, problemas de intestino, ansiedade e outras questões.

Pred simpPredomínio do Parassimpático

Por outro lado, na predominância do parassimpático, as membranas celulares deficientes de cálcio ficam soltas, permeáveis, e permitem mais facilmente a entrada e saída de moléculas e resíduos, hormônios e neurotransmissores, além de alérgenos potenciais.

Predisposição parassimpIsso gera predisposição a alergias, asma, bronquite, hipotireoidismo, obesidade e fadiga crônica. Como o predomínio do parassimpático implica em melhor digestão, isso leva o organismo a funcionar bem com gordura e proteína.

diet parassimp

 

Para esse grupo, a suplementação indicada é cálcio, vitamina A, vitamina B12 e vitamina E. Esse grupo recebe bem o ômega 3 de origem animal com EPA e DHEA. Não processa bem óleo de linhaça.

Suplem parassimpEquilíbrio simpático-parassimpático

Por fim, as pessoas com equilíbrio simpático-parassimpático precisam de uma combinação com dosagens médias desses minerais e vitaminas.

Síntese

Em síntese, para quem tem predomínio do simpático, vale considerar que o magnésio bloqueia o simpático, o potássio estimula o parassimpático e o uso de vitaminas do complexo B, C e D.

Já para quem tem o predomínio do parassimpático, é preciso considerar que cálcio estimula o simpático e o uso de vitaminas A, B12 e E.

Magnésio é importante para quem é ansioso, precisa relaxar e digerir melhor alimentos.

Cálcio para quem sofre de fadiga e precisa de mais energia.

Manipulação autônomicaQuestionário

Com base no questionário de autoteste do tipo metabólico, sendo traduzido e que vai estar disponível em breve é possível ter ideia melhor do perfil metabólico pessoal e das necessidades nutricionais e dosagens individuais destes e outros suplementos.

W Kelley self-testSe você tem interesse em saber mais assine nossa lista para receber atualizações.

Seja bem-vindo ao grupo da Autonomia em Saúde, no qual você é o principal sujeito na definição de seus problemas e desenho das respectivas soluções,

Antonio Pitaguari

Referências (sugestões de estudo em ordem cronológica)

1. POTTENGER, Francis Marion (1901-1967). Symptoms of Visceral Disease: A study of the vegetative nervous system in its relationship to clinical medicine. St. Louis, USA: C. V. Mosby Company, 1922. (Diversas edições entre 1919 e 1944).

2. GELLHORN, Ernst (1893-1973). Principles of Autonomic-Somatic Integrations: Physiological basis and psychological and clinical implications. Minneapolis, USA: University of Minnesota Press, 1967.

3. KELLEY, William Donald. One Answer to Cancer: Ecological approach to the sucessful treatment of malignancy. Texas, USA: The Kelley Foundation, 1974.

4. KELLEY, William Donald. Self Test for the Different Metabolic Types: and metabolic typing, the correct nutrition for your body. The original Metabolic Medicine´s Health Guide. Do-it-yourself book. Litchfield Park, Arizona, USA: College Heath Stores by Kettle Moraine Publishing, 2013.

5. GONZALEZ, Nicholas. Nutrition and the Autonomic Nervous System: The scientific foundations of the Gonzalez protocol. New York, USA: New Spring Press (Kindle Edition), 2017.

 

2 Comentários

  1. Sandra

    Gostei muito. Bem interessante e verdadeiro que não se deve generalizar tratamentos e prescrições. Fico feliz que a informação está disponível e nos possibilita encontrar profissionais com bom senso. Ainda assim, falta no serviço público esse direcionamento. Eu pago muito caro uma endocrinologista que sabe sobre suplementação e modulação hormonal (fez curso com Lair Ribeiro) ela descobriu que tenho Hashimoto-hipotireoidismo e durante anos sofri sem saber o que eu tinha. Tenho 51 anos, ela me receitou Iodo-iodeto e T4,T3 e outros suplementos como selenio, zinco, magnesio etc e me senti muito melhor. Não vou fazer a modulação hormonal porque só com a medicação já me senti bem e prefiro ir me acostumando com a ideia de envelhecer. O problema é que agora estou nas mãos dela (800,00 cada consulta), pois a cada 3 meses preciso repetir os exames e verificar se preciso mudar as dosagens. Isso tudo é manipulado e custa caro. Então, é cara a consulta, são caros os exames e são caros os remédios e suplementos… moral da história, infelizmente isso não está acessível para a população. Faço com vocês meu desabafo porque gostei da ideia de se ter autonomia e saúde. Mas, não vejo como se ter o conhecimento de tantos detalhes do funcionamento do organismo e poder acertar no diagnóstico e ainda mais difícil: saber o quê precisamos e as devidas dosagens…

    Responder
    1. autonomiaemsaude

      Oi Sandra, excelente questão! Profissionais de saúde e tecnolobia podem ajudar muito, mas na verdade só existe autocura. Em grande parte das vezes, estamos diante do efeito placebo/nocebo. Assim, nada substitui o bom e velho estilo de vida saudável composto de mentalidade, alimento, movimento, ambiente e companhia.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *